O Que Aprendi Trabalhando Em Uma Startup

Agora é oficial, amanhã (09/01/2014) será o primeiro dia de uma nova jornada na minha carreira. Estou me desligando da Das DaD e começando na Codeminer 42.

A Das DaD não foi a primeira startup que trabalhei, mas com certeza foi a que participei do maior número de decisões. Sei que errei muito e também acertei muito, e acho que no fim das contas o saldo foi bem positivo.

O objetivo desse post é registrar algumas coisas que aprendi, quem sabe isso seja útil para alguém.

O começo

Na maioria das vezes, trabalhar em uma startup não é fácil, os recursos são limitados, as responsabilidade enormes e o trabalho sempre maior do que o tempo. Quando entrei na Das DaD sabia de todos esses pontos, mas ao mesmo tempo, sabia que a minha opinião faria diferença, acho que esse foi o principal motivo de ter aceitado tantos desafios.

Claro que, o convite ter sido feito por um grande amigo (e ótimo profissional), os mimos oferecidos, possibilidade de crescimento junto com a empresa e a ideia de um produto diferente, ajudaram muito, mas sempre achei empolgante participar de decisões, sejam elas técnicas ou de gestão.

Pessoas

Tenho certeza que foi a experiência profissional onde trabalhei com os profissionais mais capacitados, e para isso, o trabalho de seleção foi o maior que já vi.

Uma empresa pequena deve ter muito cuidado ao contratar, qualquer desvio comportamental pode contaminar a cultura da empresa e o custo pode ser muito alto. Por esse motivo em alguns momentos ficamos com vagas abertas por mais de quatro meses, seja por questões técnicas ou comportamental. A única vez que não tratamos o processo seletivo como deveríamos, tivemos um custo, de cultura, atraso em projeto e de estresse muito grande, demorando meses para recuperarmos o tempo perdido.

Produto

Durante o um ano e alguns meses que estive na empresa, fiz parte da equipe que trabalhava no produto da Das Dad, e acho que essa foi a maior dificuldade. Desenvolver é uma atividade muito complexa, agora desenvolver um produto que ainda não esta completamente definido é quase impossível. Demoramos muito para conseguir estruturar o produto para que o desenvolvimento fluísse e esse acho que foi o meu maior erro na empresa. Em algum momento isso foi percebido e corrigido, mas novamente, para uma startup, qualquer erro é quase fatal.

Um ambiente criativo

O time de criação é muito bom, e o ambiente favorece a criatividade. Todos os profissionais tem liberdade para inovar e discordar. Isso não é fácil de se conseguir e acredito que esse seja o maior acerto da empresa.

Bleeding edge

Acho que esse é o sonho de qualquer bom profissional. Foi a primeira vez que tive carta branca para usar tudo de mais novo e algumas vezes (poucas) nos cortamos. Porém na maioria das vezes o custo-beneficio foi muito positivo. Acho que a quantidade de vezes que nos sangramos foi pequena pois tínhamos uma equipe altamente capacitada, o que nem sempre é uma realidade.

Decisões difíceis

Várias vezes na Das DaD foram tomadas decisões difíceis, algumas participei, outras não. Em quase todas, acho que a decisão tomada foi correta. Por mais que algumas vezes fosse mais fácil deixar as coisas rolarem, esperar o problema acontecer, sempre a decisão foi tomada, e quase sempre, foi a decisão correta. Isso é uma coisa que admiro muito nos todos da empresa, em nenhum momento se omitem com medo de errar, e quando não sabem o que fazer, pedem ajuda.

Agradecimentos

Eu não poderia terminar esse post sem agradecer os profissionais que fizeram do último ano profissional o melhor da minha (curta) carreira.

Alguns deles tenho certeza em breve trabalharei junto novamente, outros espero que a vida se encarregue de nos aproximar.

Um muito obrigado mais que especial para o meu gerente Leonardo Baptista. Foi ele que me convidou para trabalhar na Das DaD e tenho certeza que sem ele as decisões seriam muito mais difíceis.

Comments